20 de janeiro de 2022

Do bit Ao Byte

Embarcados, Linux e programação

Streaming com a Canon Rebel T7+ no Linux

Canon Rebel T7+ no Linux

Antes que se alimente de falsas esperanças, esse processo tem custo. Algumas câmeras Canon funcionam bem com o Entangle (site do projeto), mas não consegui fazer minha câmera funcionar. Parti para outro plano e nesse artigo vou apresentar uma forma de fazer streaming com a Canon Rebel T7+ no Linux – e com certeza funciona em Windows (mas não sei no Mac).

Rebel T7+ vale a pena?

Canon Rebel T7+ no Linux - lente padrão

Câmeras e lentes tem de todo o preço, não é fácil escolher mas é fácil gastar muito. A Rebel T7+ não é uma novidade, nem é uma das mais baratas, mas é bastante satisfatória. Ela vem com uma lente EF-S 18-55mm IS II. Legal né? Não sabe o que isso quer dizer? Bem, eu também não sabia e tive que pesquisar um bocado, por isso vou facilitar.

EF

Essas primeiras duas letras são o acrônimo de Electro Focus. O Electro Focus é um sistema desenvolvido pela Canon para a linha EOS, à qual pertencem as câmeras Rebel (que são DSLR). A lente se comunica com a câmera, para deixar mais claro ainda. É através dessa tecnologia que é feito o foco automático, que pode ser desabilitado na lente e na câmera.

EF-S

Essa é lascada; Electro Focus Short Back Focus. Esse tipo de lente (que é o da Rebel T7+) tem menos elementos ópticos internos, são mais leves e feitas para câmeras de sensor cropado. O controle eletrônico é o mesmo da EF. Essas lentes só encaixam no tipo de câmera para a qual foi feito e a lente possui um quadrado branco no corpo, na borda de encaixe do bocal. É o tipo de lente da EOS Rebel T7+.

f/ ou 1:

Esse fator indica a abertura máxima do diafragma. Quanto menor o número de sequência, maior a abertura. Quanto maior a abertura, mais luz entra. Com isso, o desfoque dos planos é maior, ou seja, podemos ter um plano de fundo e plano de frente desfocados de modo acentuado, com um plano ao meio, bem focado.

mm

Não confunda com M&M (de chocolate). Trata-se da distância focal, em milímetros. Essa distância focal é o ângulo que as lentes são capazes de captar o ambiente. Lentes de menores distâncias focais tem maior amplitude, com ângulos mais abertos. As de menor distância focal são as grande angulares. As com maiores distâncias focais são as teleobjetivas. Logo, perceba que não tem lente “pior”ou “melhor”, tudo depende do propósito.

I e II

Essas são as versões de lentes, representados por algarismos romanos.

IS

Esse é o Image Stabilizer, presente em algumas lentes Canon. Essas lentes possuem motores internos que compensam algumas anomalias de movimento e é um excelente recurso para teleobjetivas, reduzindo danos por tremedeira na imagem capturada. A lente padrão da Rebel T7+ tem dois botões; auto-foco (AF/MF) e estabilizador (ON/OFF).

Existem mais algumas variações e lentes incríveis, mas esse não é um artigo sobre “câmeras”, então me perdoe pelo trocadilho e vamos manter o foco na Rebel T7+:

Canon Rebel T7+ no Linux - informações da lente

Sua lente é uma EF-S 18-55mm com f/3.5-5.6 IS II. Seu diâmetro é de 85mm, para quem pretende comprar filtros – e recomendo ao menos o filtro UV, para proteção da lente, mas um filtro polarizador para fotos externas também é uma boa aquisição. Só que o objetivo desse artigo é a filmagem dessa câmera, que foi adquirida para servir ao canal DobitaobyteBrasil no Youtube.

Resumindo a câmera em si, acredito que seja um bom modelo para quem quer iniciar com câmeras mais próximas do profissional. Tem bastante coisinha pra aprender com ela e fazer fotos manuais não é uma das tarefas mais simples, dá pra ter muitas horas de lazer e aprendizado! Caso prefira, deixe no modo automático e use os recursos de lentes descritos acima. Ainda estou apanhando um bocado para acertar a iluminar e baixar o ISO, porque quanto mais alto o ISO, maior o ruído e pior a qualidade da imagem.

Ela tem diversos recursos como WiFi, NFC, USB, HDMI etc. Disso tudo, vamos usar o HDMI. Atenção a uma coisa muito importante:

Se o WiFi estiver ligado, os recursos digitais serão desabilitados. Escolha um ou outro na hora de usar.

Me debati muito por conta disso, porque a primeira coisa que fiz foi habilitar o WiFi, só que essa câmera tem 0 compatibilidade com Linux.

Agora posso dizer; pra mim particularmente, valeu muito a aquisição. Estava mais acostumado com a Sony DSC-H9, que foi a câmera que adquiri quando me interessei por DSLR em meados dos anos 2000, ficando abandonada depois de alguns anos. Mas gostei mais dessa Canon, sem dúvidas (e por razões óbvias).

Como fazer streaming com a Canon Rebel T7+ no Linux?

Fácil. E caro.

Canon Rebel T7+ no Linux - avermedia para streaming

Como não consegui fazê-lo via software, apelei para hardware. No caso, adquiri um AVerMedia Live Gamer Mini GC311. Muito, muito caro. Mas funciona.

Ele possui duas portas HDMI e uma USB. Uma das portas HDMI é entrada, ou seja, deve-se colocar a fonte de vídeo em HDMI IN – no meu caso, a câmera.

Ao conectar o dispositivo à porta USB, ele será detectado pelo sistema como um dispositivo de vídeo, como se fosse uma webcam. A partir daí, use o software que melhor lhe convier. No caso, abri o dispositivo de vídeo no OBS Studio. Se não sabe adicionar um dispositivo no OBS, visite o canal Abrigo76 no Youtube. O Daniel é gente boa e tem uma vasta série sobre OBS Studio.

Já o HDMI OUT pode ser usado para direcionar a saída de vídeo para um monitor, por exemplo, sem ônus ao sistema operacional, sem delay ou qualquer outro problema. E foi para isso que adquiri esse dispositivo, pois eu gostaria de gravar a saída de vídeo da câmera diretamente no computador, sem precisar gravar vídeo no micro SD, depois transportar para o computador. Ainda que gravando diretamente no cartão, outro ponto importante é o retorno, porque às vezes podemos estar gravando na posição errada, a imagem pode não estar boa, o foco pode não estar adequado etc. Se estiver gravando de forma solitária como eu (snif), um retorno visual pode ser fundamental – e aí o mero uso da saída de vídeo para um monitor de retorno pode ser a salvação.

Vídeo

Não faz sentido escrever sobre vídeo e não mostrar vídeo, certo? Temos uma sequência, sendo a apresentação da EOS Rebel T7+ no canal Da20Resolve (inscreva-se, se seu negócio é edição) e a apresentação de todos os recursos do meu novo estúdio, no qual ainda estou em adaptação, principalmente com questões como distância, enquadramento e luminosidade. Tenham paciência e acompanhem os resultados no canal DobitaobyteBrasil. O vídeo relacionado deve sair em alguns dias após essa publicação, já que estou esperando chegar mais um equipamento para apresentar a vocês!