fbpx
1 de julho de 2022

Do bit Ao Byte

Embarcados, Linux e programação

Papo descontraído – Falemos sobre jumpers

jumpers

Me envergonho mas não nego que há muitos anos, sugeri enviar a campo um projeto conectado com jumpers, desses com “cabeça” quadradinha que compramos como se fosse miojo. Mas vamos lá; quem nunca teve um mal contato, que atire o primeiro Arduino!

Jumpers “padrão”

Nem faz tanto tempo, os jumpers eram todos com capa roliça. Eram moles e frouxos (sejamos maduros, sem conotação sexual). Melhorou um bocado com essas capas plásticas quadradas, mas ainda assim tem um bocado de problemas. E já que começamos a conversa com esse tipo de jumper, falemos de seus defeitos.

Nunca peguei um feixe de jumpers que não estivesse ao menos com uma capa mole. Também nunca peguei um feixe de jumpers fêmeas em que ao menos 1 não ficasse frouxo. Além disso, ainda tem os jumpers que são tão finos que mal passa corrente para suportar uma carga maior que um LED. E não pára por aí, porque tem também os jumpers feitos de “mágica”, que não pegam solda de jeito nenhum. Já perdi vários na esperança de utilizá-los com um lado soldado.

Protoboard é outra fonte de problemas, ainda mais depois de estar bem utilizada por um tempo. Somado a um jumper ruim, difícil não prototipar com falhas físicas, que só são descobertas depois de muito sofrimento. Recentemente estava controlando um Nema com encoder que só estava girando para um lado. Adivinha? – Era o jumper!

Jumpers com garra jacaré

Muitas vezes conecto um módulo I2C diretamente à MCU. Tradicionalmente, o faço com o PCF8574, que é um expansor de IO do qual tenho escrito muita coisa. Dá até pra usar essas garrinhas jacaré para eletrônicos e vou dizer que fica bem seguro, desde que tenha capa, para evitar contato com os pinos dos lados. Para usá-lo em uma protoboard, basta usar uma perna de um resistor como pino e a coisa fica boa. O cabo é mais grossinho e considerando a força da garra, não acredito que em algum momento venha a dar mal contato. Por essa razão adquiri algumas dessas, que você vê na imagem em destaque. Esse tipo de jumper você encontra relativamente fácil, mas um link direto que recomendo é esse onde adquiri os meus. O vendedor é muito atencioso e a Mekanus é uma loja bacana, acredito que faremos uma parceria, conforme o andar da carruagem.

Gancho ponta de prova

Esse é sem dúvidas o meu preferido. O gancho ponta de prova normalmente tem um lado com capa quadrada e o outro lado com o gancho. É ótimo para pegar inclusive a perna de CI, permitindo, por exemplo, usar um jtag em um circuito que não disponibilize a interface via pinos/slot. Essa ponta de prova “abraça” o pino, portanto mesmo que girando, não há risco de tocar outro pino. Mas esse da imagem de destaque vou mostrar mais de perto no vídeo, porque, meus amigos, ele é incrível! Ele vem com o jumper quadradinho dos dois lados – e acaba encaixado na garrinha! Ou seja, podemos desconectar o jumper para trocar de cor ou para simplesmente podermos usar um multímetro em um pino que esteja em um lugar aperta. É a melhor garrinha de prova que já vi! Não por acaso, esse também é um produto da Mekanus, só ir no link aí em cima.

Outros?

Existe mais algum tipo “oficial” de jumpers? Ou, existe um tipo diferente, melhor, inusitado? Vou fazer um vídeo breve sobre o tema e você poderá comentar sua ideia ou experiência para batermos um papo sobre o tema. Se inscreva em DobitaobyteBrasil no Youtube e nos vemos por lá!