IoT

Gerenciar dispositivos com ThingsBoard

Gerenciar dispositivos

Fiquei sabendo do projeto há pouco. Gerenciar dispositivos com ThingsBoard pode ser minha nova meta, o projeto é open source, roda em diversas arquitetura e hoje vou mostrar como configurá-lo em um Raspberry Pi.

O que é ThingsBoard?

A descrição do site resume em gerencimento de dispositivos, coleção de dados, processamento e visualização para IoT.

Entre no site, se você manja de inglês poderá assistir ao vídeo de apresentação do produto, vale muito a pena.

Instalação do ThingsBoard no Raspberry

O serviço roda sobre Java 8. Verifique se já o tem instalado em seu Raspberry Pi:

Base de dados

Particularmente, não acho uma ótima solução instalá-lo no Raspberry por conta de I/O no cartão micro SD. Porém é a melhor forma de economizar em um projeto, tanto em hardware como em espaço e a curto prazo, energia.

O ThingsBoard pode usar base de dados SQL ou NoSQL (Cassandra, no caso) para gerenciar dispositivos. Por padrão, ele usa uma base embarcada HSQLDB, conveniente para testes e desenvolvimento, mas não é recomendado para ambientes de produção. Eu vou utilizar a base embarcada, mas vou deixar o procedimento para configuração da base de dados recomendada.

Configurar PostgreSQL

A instalação é um procedimento básico. Abra um console e execute:

Ao finalizar a instalação, crie a base de dados para o ThingsBoard.

Instalação do serviço

A solução mais rápida e indolor é baixar o pacote de instalação pronto. Porém, você pode pegar os fontes aqui se desejar compilá-lo.

Aproveite e coloque no ~/.bashrc essa última linha. Use seu editor preferido para tal, basta ir à última linha do arquivo e fazer a adição do conteúdo.

Configurar o ThingsBoard para usar PostgreSQL

Como disse, vou de padrão, mas se optou por utilizar a base de dados PostgreSQL, será necessário editar o arquivo /etc/thingsboard/conf/thingsboard.yml.

Ao editar, comente toda a seção relacionada ao HSQLDB:

E descomente a seção relacionada ao PostgreeSQL:

Execute o script de instalação

Feito isso, hora de fazer a instalação do serviço:

Não se incomode com o tempo, não é realmente rápida essa parte. Não tenha nada rodando na porta 8080. Isto é, se estiver executando o Blynk server dos artigos anteriores, pare-o agora ou então mude a porta de serviço do ThingsBoard.

Iniciando o serviço

Para iniciar o serviço para poder gerenciar dispositivos, execute o comando a seguir:

A tela final deve ser algo semlhante a isso:

Gerenciar dispositivos - instalação

Agora já devemos estar hábeis a abrir a interface, que deve levar até 2 minutos para se configurar.

Resolução de problemas

Os sinais de anomalia devem estar contidos nos logs. Sempre olhe os logs antes de postar dúvidas por aí, será mais rápido e também mais fácil ir direto à solução do problema.

Os logs ficam em /var/log/thingsboard. Uma maneira de procurar por erros é através do comando grep:

Primeiro login

Gerenciar dispositivos - tela de login

O login padrão é:

E a tela inicial é essa:

Gerenciar dispositivos - primeiro login

O login padrão de “inquilino” é:

Para clientes demo, os logins são:

Para todos os clients, a senha padrão é a mesma: customer .

Essas informações estão na documentação do “Demo account“.

Daremos sequencia em outros artigos, esse é apenas para a instalação. Espero que acompanhe e até a próxima!

One comment

Comments are closed.

%d blogueiros gostam disto: