GeralLinux

ifconfig command not found – solução simples

ifconfig command not found

Se você tentou listar suas interfaces de rede e obteve um “ifconfig command not found”, saiba que isso é porque as coisas mudaram um pouco. Não é de hoje, mas agora o comando “ip” substituiu de vez o ifconfig. Para listar as interfaces de rede agora, de forma tão horrorosa quanto o comando em alguns roteadores, você precisa digitar “ip addr show”. Rotas com “route”? Já era. Agora você digita “ip route show”. Mas quer manter o bom e velho comando em seu sistema? Então basta instalar os compatíveis.

Acabar com “ifconfig command not found”





Instalar os programas ifconfig e route na verdade foram pretestos para discorrer sobre algo mais importante; descobrir que pacote oferece determinado programa. Para isso, utiliza-se o comando dpkg-query -S comando. No caso, eu preciso do comando ifconfig para não ter que fazer modificações em uma aplicação em Qt, então fui forçado a instalá-lo, por mais que eu aceite utilizar o comando IP. No caso o que fiz foi:

E o nome do pacote é devolvido na linha de comando:

dpkg-query
dpkg-query

Só que surgiu outro porém; ao digitar “ifconfig” novamente não tive sucesso. Bem, se um pacote foi indicado, de algum modo o nome alvo tem que estar lá dentro. Para descobrir isso, basta listar todo o conteúdo do pacote com “dpkg -L”:

inetutils-tools
inetutils-tools

Tendo encontrado o comando com outro nome, apenas o renomeei para “/sbin/ifconfig”e voi-lá!

Instalar o comando route





Porém, todavia e entretanto, o comando “route” não foi fácil de achar. Como também era necessário, tive que dar um peteleco no google e acabei encontrando o pacote “net-tools”, que contém todas as ferramentas que foram substituidas. Caso precise de alguma delas, eis a lista:

net-tools
net-tools

Minha humilde opinião a respeito é que todos os sistemas operacionais utilizam esses comandos, mas alguém ou alguns conseguiram vencer na argumentação que seria bom cagar em uma tradição. Não tenho nada contra novas implementações, mas algumas delas tem impactos desnecessários. Já que estou transparecendo minha instatisfação, vou aproveitar pra falar de outra zica; a mudança do nome de interfaces de rede. Era simples e objetivo deduzir wlan0 e eth0, mas graças aos fantásticos avanços (avanço pra trás, digo assim de passagem), agora precisamos de uma bola de cristal para interpretar algo como “wlp4s0”. Isso me parece meio bosta pra quem é desenvolvedor, já que adivinhar as interfaces não é uma coisa trivial. Não resolve todos os problemas, mas pelo menos a dica a seguir ajuda a recuar essa condição para seu próprio computador.

Renomear interface de rede

Vou fazer essa configuração apenas para a interface que me interessa, a wifi, voltando ao tradicional nome “wlan0”. Isso será feito com o auxílio do udev. But, não foi direto. Faltavava a biblioteca libcgmanager.so.0, mas foi fácil encontrar essa:

libcgmanager
libcgmanager

Daí foi só instalar com “apt-get install libcgmanager”. Depois, entrando em /etc/udev/rules.d, cria-se então o arquivo “70-persistent-net.rules” com o conteúdo (substitua o MAC. Você o encontra com o comando ifconfig):

Detalhes esclarecedores sobre udev podem ser vistos na wiki do debian, especificamente nesse link do udev.

Você só verá a interface renomeada após um reboot do sistema, mas vai funcionar.

Interface renomeada para wlan0
Interface renomeada para wlan0

Não repare o tanto de interfaces; duas são ethernet Gigabit da minha mobo (que não uso, então nem me preocupei em renomear). A interface lo pelo menos continua sendo lo e a interface do docker é do meu container para programar ESP8266 utilizando o docker do Sming. Se não viu, pode dar uma olhada no artigo “ESP8266 a lá Arduino com Sming em um container“.

O Docker não é uma virtualização, é paralelização de processos. Se não conhece ainda, recomendo esse artigo onde mostro como fazer reconhecimento facial com precisão de até 100% e nele utilizo Docker:

OpenFace e um pouco de Docker

Esse artigo surgiu da necessidade desses comandos na aplicação do DWOS. O sistema você vê nesse nesse video:

Já o app está completamente diferente e logo o sistema será liberado publicamente. A interface que você vê acima se chama Weston, rodando sobre o servidor gráfico Wayland. O artigo relacionado a esse servidor gráfico você vê no artigo do Wayland.

Vá até o final da página e veja se os artigos relacionados lhe interessam. Até o próximo artigo!